03/01/2011

O MAIOR LIVREIRO DO BRASIL

 

Hoje papai faz 90 (!) anos. Precisava fazer uma homenagem a ele em tão importante momento. Pesquisando na net (sempre nela) descobri uma entrevista feita em 1997 para o fanzine Pipoca Moderna, que Clóvis Campêlo publicou em seu blog.

Detalhe ao fundo da foto de uma caricatura de Melqui feita por Marianne Peretti (1927), artista plástica francesa, nascida em Paris, de mãe francesa e pai pernambucano, que vive no Brasil desde 1953, quando se mudou para São Paulo. A entrevista está abaixo.

 

24122010486

“Quem com ele troca idéias e palavras, fica com a certeza de que se trata de uma pessoa racional e atenta aos conceitos do mundo moderno. Para consolidar essa impressão, define-se como "um homem de esquerda", que cita Marx e Lennin nas suas falações.

No seu box, na Praça do Sebo, porém, mantém um eclético santuário onde convivem, em perfeita harmonia, as imagens de Padre Cícero, N. Sª. Aparecida, Exu Tranca-Rua, Pomba-Gira e do Cabloco Pena Branca, entre outros. Um pouco de fé mística, afinal, não faz mal a ninguém.
Grande conhecer da música brasileira das décadas de 40 e 50, também navega com certa desenvoltura pelas águas da Bossa Nova e do Tropicalismo. Em relação à música pernambucana, prefere Nélson Ferreira à Capiba e faz críticas moderadas ao Movimento Mangue, sem nenhum xenofobismo, "pelo excesso de anglicismos".

Crítico pertinaz da falta de sensibilidade dos orgãos oficiais de cultura, está sempre cercado de bonitas secretárias e ultimamente adotou a fotografia como passatempo.

Foi com essa figura ímpar, chamada Melquisedec Pastor do Nascimento, o maior livreiro do Brasil, que iniciamos uma série de depoimentos ao Pipoca Moderna (Clóvis Campêlo).

A ORIGEM
"Sou recifense, nascido dentro dos mangues do bairro dos Afogados, no dia 3 de janeiro de 1921. Minha instrução começou numa Escola Particular Mixta, onde me desasnei aprendendo a ler na Carta de ABC de Landelino Rocha. Eis aí todo o meu currículo escolar. Extremamente pobre, minha mãe, que me criou sozinha, dizia: "Entre estudar e trabalhar, não podendo fazer os dois, trabalhe-se!". Passei a trabalhar e a estudar na escola da vida".

A PROFISSÃO
"Habituei-me a ler lendo folhetos de feira, almanaques de farmácia e jornais, estes motivado pelo retrato da vítima. Depois revistas, depois livros. A curiosidade por esses, levou-me ao sebo do negro Manoel Berlamino da Silva, o qual me iniciou na profissão, levando-me a vir a ser o maior livreiro do Brasil. O meu reconhecimento da importância do comércio de livros usados e a minha dedicação a ele, deram-me esse laurel. Considero minha profissão a mais digna de todas as profissões".

OS PROBLEMAS
"Os poderes públicos têm coisas mais nobres com que se preocuparem... Os sebistas do Recife transbordaram da Praça do Sebo e espalharam-se pelo centro da cidade, vivendo como Deus é servido... Como sebistas, alfarrabistas, antiquários ou libervelheiros o que é positivo é dignamente semear livros. Efetivamente, apenas o Dr. Gustavo Krause foi sensível ao comércio de livros usados aqui no Recife, agrupando os sebistas no Mercado de Livros Usados. Os poderes públicos não são sensíveis à problemática da educação, sequer..."

IDEOLOGIA
Sensível à questão social desumana, tornei-me um homem de esquerda, a única pauta para julgar a conduta humana, verificar se contribue ou se opõe à causa do socialismo".

A SITUAÇÃO DO PAÍS
"A situação política e cultural do país despenca e não vejo nada que esteja se fazendo para ampará-la. A solução seria criar escolas primárias para oferecer instruções sobre patriotismo. E que os dirigentes criassem vergonha na cara."

A PRAÇA DO SEBO
"A Praça do Sebo ou corretamente o Mercado de Livros Usados do Recife, foi o movimento mais promissor para a cultura que se fez nesta cidade. Reuniu-se em local digno sebistas precariamente instalados aqui e ali. Eram pequenos comerciantes que, mais ou menos, contribuíam para a continuação desse comércio, então um tanto estagnado. Contamos com a iniciativa e o apoio de Liêdo Maranhão, Francisco Balthar Peixoto, Paulo Roberto de Barros e Silva e Edson Wanderley, entre outros, simpáticos a esse comércio cultural. O então prefeito Gustavo Krause determinou a construção. Foi feito um convênio entre os sebistas e a Prefeitura. Infelizmente as administrações Jarbas Vasconcelos encarregaram-se de não cumpri-lo. Hoje, a situação da Praça do Sebo é deprimente para a educação e a cultura recifenses. A solução seria a Prefeitura cumprir as exigências que lhe impõe o convênio estabelecido por ela mesmo para o funcionamento do Mercado de Livros Usados do Recife".

MENSAGEM FINAL
"Para finalizar, uma mensagem aos leitores pipoqueiros: é preciso ler, é preciso ir aos sebos, santuários de raridades bibliográficas a preço de sebo. Além do mais, é preciso entender que o conceito ideal de cultura é personalizar o indivíduo, desenvolver o raciocínio e a imaginação. Integrá-lo na educação e na cultura, refinar-lhe o espírito. Prepará-lo para a vida".

Clóvis Campêlo
Recife, 1997

5 comentários:

  1. Fabio Barros03/01/2011 12:41

    Parabéns a seu Melqui! :)

    ResponderExcluir
  2. Bela homenagem. Parabéns aos dois. ;)
    Grande abraço pernambucanadense!

    ResponderExcluir
  3. Sempre achei a rua da roda fantástica, vez por outra lanço-me no garimpo daqueles boxes.
    Parabéns, Paê, por seu Melquisedec!
    Feliz aniversário, seu Melquisedec!

    ResponderExcluir
  4. Sempre gostei muito de Melqui.
    A entrevista com ele foi consequência disso. Agradeço por sua publicação. Gostaria de ter notícias dele/

    ResponderExcluir
  5. Papai está bem, na medida do possível. Tem muitos problemas de saúde, tendo até que amputar a perna direita. Faz hemodiálise dia sim, dia não e não está muito bem da memória. Quando comentei sobre este post, perguntei se lembrava de você e ele disse que sim, muito embora não tenha sentido muita segurança na resposta, rsrsrs. Te mandei um e-mail com o telefone da casa de minha irmã onde ele mora para, se você puder, visitá-lo.

    ResponderExcluir